sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

A Ucrânia é um jogo de 11 contra 11 e no fim ganha o Putin

Celebrado o cessar-fogo na Ucrânia, Obama e a Europa voltam a ter as voltas trocadas pela Rússia.

A solução bélica pela qual Washington já esfregava as mãos para dinamizar a sua indústria de defesa saiu gorada com o Acordo de Minsk e a Rússia sai a ganhar com uma solução diplomática que lhe convém:
- O Acordo prevê uma revisão constitucional que consagre a descentralização de poder para as regiões do leste da Ucrânia - a autonomia definitiva terá de vir mais tarde;
 - Retorno do pagamento de salários e pensões, pela Ucrânia, aos residentes no Leste;
- Qualquer questão referente a eleições no Leste obriga sempre à participação de representantes destas regiões;
- Concessão de amnistias e perdões para rebeldes que combateram no Leste;
- Criação de uma zona de segurança que pode ir até 140 km para entre as partes.

Ao contrário do que muitos dizem, Putin não tem interesse nenhum na independência das regiões do leste da Ucrânia - e o facto de nunca ter reconhecido declarações de independência destes povos comprova-o.

Objectivo da UE com a Ucrânia:
- Interesses económicos.

Objectivo dos EUA com a Ucrânia:
- Interesses militares (manter a Rússia sob pressão e fragilizá-la com a cooperação militar, com a adesão de Kiev à NATO e através dos clientes da indústria de armamento russo);
- Interesses económicos (começa via FMI e passará por via directa mais tarde).

Objectivo da Rússia com a Ucrânia:
- Manter a sua área de influência;
- Continuar a contar com aliados de peso dentro da Ucrânia e dos órgãos políticos ucranianos para impedir Kiev de aderir plenamente à NATO;
- Garantir o equilíbrio, nos órgãos de decisão oficiais, entre representantes pró-americanos e representantes pró-russos (esta bipolaridade já assegurou a eleição de actores da pró-ocidentalista Tymoshenko e do pró-russo Yanukovych);
- Atenuar a ascensão nacionalista e nazi na Ucrânia e não abandonar de todo o País.

Sem comentários: