segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Do «comunismo» à CDS (Almada)

A seriedade e isenção com que foram organizadas as eleições de Delegados para o XXV Congresso Nacional do CDS-PP, no passado sábado, em Almada, fica patente em exemplos como aqueles em que elementos afectos à Lista A (da Concelhia) difundiram a falsa ideia de eu ter «desviado a lista de contactos dos militantes» (sic), o que é manifestamente falso.

Além de terem feito esta grave acusação em pleno acto eleitoral, perante outros militantes e membros da mesa, membros desta lista voltaram à carga no Facebook, através de duas formas:

Adolfo Noronha de forma directa

O Presidente da Concelhia de Almada de forma indirecta depois de ter
alimentado esta polémica durante a votação
(não deixa de ser curioso o envolvimento do grande personagem Graça Moura)

Por sua vez, o que mais se lamenta no meio de todo este processo é que, depois de eu ter denunciado à Comissão Organizadora do Congresso (COC) o facto de o Presidente da Concelhia de Almada estar a desviar eleitores para a sua sala, o "representante da COC" que me devolveu a chamada, Diogo Moura, despacha o assunto dizendo para juntarmos «à acta o ocorrido que depois a COC decide».

Eu até gostaria de acreditar numa boa resolução deste processo, mas é difícil acreditar na isenção da COC quando já não é a primeira vez que manifesta o apoio claro ao Presidente da Concelhia de Almada e volta a fazê-lo na campanha de difamação de que eu teria «desviado a lista de contactos de militantes», senão vejamos quem gostou desta publicação:


Não é agradável jogar contra 14. Assim se vê a força PC, ou, como gosta de dizer o Presidente da Concelhia de Almada: é o comunismo à CDS!

P.S.: Aos apoiantes da Lista A e respectivo Presidente da Concelhia de Almada, em vez de me difamarem desafio-vos a formalizarem uma queixa contra mim através da Comissão Nacional de Protecção de Dados através do link directo (http://www.cnpd.pt/bin/duvidas/queixas_frm.aspx); por carta para Rua de São Bento n.º 148-3º 1200-821 Lisboa; por fax (213976832); ou por e-mail (geral@cnpd.pt). Terei todo o gosto em esclarecer as entidades competentes sobre como tive acesso à lista que tenho (com poucos contactos) e através de quem. Formalizem a queixa. É mais honesto do que atentarem contra a honra de terceiros.

6 comentários:

Fernando Miguel disse...

Pois é! Tanto quanto parece não há forma de descolar deste baralhar e dar de novo - situação que vai sendo recorrente. Declaração de intenções: não fui, não sou, não serei filiado em qualquer partido político, o que não é, de modo algum, de ser político (material e espiritualmente). Com "coisas" destas e outras que tais, a direita de tão envergonhada, inepta e apagada que é, ainda acrescenta à fraquezas o alcandorar do iluminismo serôdio, do positivismo néscio, da chaga marxista. Localmente, trabalha o CDS que se farta pelo alastramento do polvo comunista.

Fernando Miguel disse...

Entre "algum" e "de" considere-se "impeditivo". Na penúltima linha, onde está "à", leia-se "às".

Nem tudo Freud explica disse...

O Fernando Miguel tem toda a razão. Os Partidos são isto e o CDS, com tanto potencial que tem, está a deixar transformar-se num ninho de pequenas capelinhas. Assim, é natural que o Partido Comunista esteja cada vez maior em Almada. Tudo o que interessa a este CDS Almada é garantir que o seu Presidente se mantenha na liderança e dê uso à sede. Eis o programa eleitoral para 2013-15.

Nem tudo Freud explica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernando Miguel disse...

Que partidos com vocação e prática totalitárias se afirmem mediante a provocação do silêncio e da eliminação dos adversários, eis o que não surpreendeu, nem surpreende. Que um partido, a nível local ou nacional, que se invoca da democracia cristã (!?), use de tais expedientes, mais ou menos eufemísticos, embora, primordialmente, similares, eis o que é a negação e a vitimização da essência, dos princípios e da concepção global da dita democracia.

Nem tudo Freud explica disse...

Se o Fernando Miguel pensar bem, este comportamento até acaba por ter um traço de cristão. Estou a pensar no cristianismo evangelizador que nos levou a nós e aos espanhóis a esmagar todo o tipo de oposição religiosa entre os indígenas americanos e africanos. É este género de cristianismo que defende este CDS.