segunda-feira, 19 de agosto de 2013

A estratégia autárquica do PCTP/MRPP para Almada

O Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses/Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado (PCTP/MRPP) tem um candidato à Câmara Municipal de Almada: Domingos Bulhão.

No entanto, o partido só pode depositar muita fé numa campanha em que poucos sabem da existência do candidato, uma vez que, em vez de aproveitar o outdoor gigante que tem no Centro Sul, a pouco mais de 1 mês das eleições, o PCTP/MRPP dedica um dos seus raros meios de comunicação - além da pouco cívica pintura de murais públicos - a isto:


N.d.r.: A foto de cima foi retirada do site Biblioteca e arquivo de José Pacheco Pereira.

6 comentários:

Anónimo disse...

Bom dia!
Se passar pelo Centro Sul, verá que o Outdoor está actualizado.
Tem razão: raros meios de comunicação pois há mais de 40 anos que o PCTP/MRPP é poupado e não estoira o pouco que tem em propaganda. Melhor assim do que gastar valores pornográficos como os outros partidos.
Cumprimentos.

Luis Júdice disse...

A desonestidade intelectual de quem posta uma nota como esta nem Freud saberá explicar!

De facto, ao produzir este autêntico vómito ou diarreia mental, o autor escamoteia o facto de ao PCTP/MRPP ter sido sistemáticamente vedado o acesso aos meios de "comunicação social", como ficou profusamente evidenciado nas últimas eleições legislativas.

Mas, o autor vai mais longe na mentira que, tantas vezes repetida - como diria o lugar tenente de Hitler, o famigerado Goebels - pensa que passa a ser verdade. É que, ao contrário do tratamento de silenciamento a que o PCTP/MRPP é votado, os partidos do "arco parlamentar" - entre os quais se incluirá, certamente, o partido do autor deste vómito - têm "tempo de antena" disponível em profusão.

E isto, porquê? Porque, enquanto são justas e servem o povo as idéias defendidas, preconizadas e levadas a cabo pelo PCTP/MRPP, são contra o povo e quem trabalha as propostas profusamente divulgadas por uma imprensa dominada e ao serviço dos interesses do grande capital dos partidos que têm, nos últimos 40 anos, estado representados no parlamento e à frente das autarquias.

Luis Júdice (alguém que não se esconde na cobardia do anonimato)

Nem tudo Freud explica disse...

Bom dia, Anónimo.

Terei oportunidade de reparar hoje no novo cartaz. Saúda-se o não investimento excessivo em meios que pouco podem acrescentar à estratégia no terreno.
Não obstante, manifesto o meu lamento pelo facto de o MRPP insistir na pintura de murais e paredes públicas, um comportamento que merece repúdio e censura de muitos munícipes.
Cumprimentos

Nem tudo Freud explica disse...

Estimado Luís Júdice,

Ninguém colocou em causa neste espaço o tratamento desigual dado aos partidos sem assento parlamentar. Pelo contrário, sou favorável ao justo tratamento entre TODOS os partidos políticos.

Mas não tenho de trazer essa situação para este artigo em particular, uma vez que o que se pretende transmitir é a estratégia do partido para Almada e, nesse âmbito, não pode o PCTP/MRPP ignorar que estamos em período de autárquicas, pelo que aproveitar os raros meios que tem à sua disposição para outras causas - concorde-se ou não com elas - é desperdiçar recursos.

Cumprimentos

Manuel de Lima e Silva disse...

Como é vergonhoso alguém que se escuda atrás do anonimato para falar num periúdo eleitoral como o que vivemos!? Será que será pela força do habito do passado que pela calada da noite entravam na casa das pessoas e levavam o pai com a mulher e filhos a gritarem pelo seu progenitor quero o meu Pai!!!

Anónimo disse...

Para o PCTP/MRPP o 25 de Abril foi a pior coisa que aconteceu, ainda gostavam de viver no tempo da clandestinidade.

Mas para mim o melhor é sem dúvida alguma o Garcia Pereira, lutador ao lado do povo mas que gosta de fumar charutadas e cobrar-se bem pelos seus serviços de advocacia.