sexta-feira, 23 de agosto de 2013

A abordagem do Bloco de Esquerda Almada à propaganda de rua

Com todo o respeito pelas opções que cada um toma e pelos argumentos que terá para decidir sobre a estratégia dos partidos face às autárquicas, não consigo compreender a abordagem do Bloco de Esquerda Almada à propaganda de rua, mais concretamente aos cartazes/outdoors que tem espalhados pela cidade.

Em resumo, temos eleições dentro de pouco mais de 1 mês, a generalidade dos munícipes sabe que existe um partido com o nome de Bloco de Esquerda (BE) e que tem representatividade em Almada, mas poucos sabem quem são os candidatos e o que propõem para o concelho. Uma vez que é praticamente impossível contactar directamente com as 174.030 pessoas que residem no município e os cartazes podem ajudar a dar a conhecer as pessoas e as propostas do Partido, o BE Almada apresenta os candidatos num outdoor já aqui comentado mas em formato MUPI, da seguinte maneira:


O mais curioso no meio disto é que muitos destes MUPI estão à saída ou no meio de rotundas e virados para a estrada, ou seja, os peões não conseguem visualizá-los e os automobilistas, os únicos que o podem fazer, passam por eles em áreas onde são forçados a circular com mais velocidade (a saída das rotundas). Com alguma reflexão, seria possível constatar que os MUPI poderiam ser úteis junto a semáforos, à entrada de rotundas ou em locais onde quem circule a pé seja praticamente obrigado a olhar para eles. Infelizmente, não é isso que se passa em Almada.

Contudo, mais estranho ainda é saber que o BE Almada dedica MUPI para apresentar os candidatos e reserva os cartazes gigantes para dizer isto aos munícipes:


Este é o outdoor que está na rotunda do Centro Sul, em Almada. Olhando para aqui, nota-se que a abordagem do BE Almada à propaganda de rua ou é uma questão de falta de consciência ou então é uma questão de fé juntamente com vergonha. Ora, começando pelo fim, o BE Almada deve ter vergonha nos seus candidatos para apresentá-los em formato XS e dedicar um XXL - este cartaz - para fazer um dos piores cartazes de autárquicas que vi desde há muito tempo. A escolha não é infeliz, é péssima. Mal por mal, ao menos que dedique estes outdoors de grandes dimensões à apresentação dos candidatos. Não. O BE Almada deposita toda a sua fé (e quase todos os fundos) num cartaz que diz «Mais Esquerda na resposta à crise», com uma seta muito mal desenrascada e, em letras quase microscópicas escreve «autárquicas 2013», porque tinha de ser e, assim, quem tomou a decisão inacreditável de dar espaço a este cartaz já poder dormir descansado por acreditar que fez um trabalho brilhante. O trabalho é péssimo e chamar a isto um cartaz de autárquicas é mais do que um eufemismo.

Este cartaz de autárquicas tem pouco além da inscrição que já referi, não dedica 1 cm que seja a Almada, não apresenta um único meio de contacto, é totalmente dedicado a temas de política nacional - e mesmo assim de forma vaga e vulgar - e consegue ser extremamente básico na sua concepção e desinteressante. Em suma, esta é uma aposta de fé do BE Almada, porque dá-se ao luxo de não apresentar candidatos e nem uma proposta que o valha e esperar que as pessoas votem no Partido apenas se souberem ler «autárquicas 2013» - ah! já percebi! afinal isto é para Almada - e por acharem que votar na esquerda, apenas porque sim, será bom para elas! É preciso ter mesmo muita fé para acreditar que tudo isto vai acontecer desta maneira!

Por isso, não me resta outra conclusão que não a de presumir que quem toma decisões sobre a propaganda autárquica em Almada não fez uma avaliação dos riscos e do potencial que essa escolha poderia ter. Pior, podia ter aproveitado para marcar a diferença face às restantes candidaturas e inserir 3 ou 4 propostas-chave no outdoor para que todos possam conhecer o que o BE Almada propõe para o município. É para isto que servem os cartazes: para dar a conhecer uma (ou mais) ideia(s), para chegar ao destinatário e pô-lo a reflectir sobre o que vê e não para poluir visualmente o espaço disponível com um vazio.

Sem comentários: