segunda-feira, 10 de junho de 2013

O outdoor do PS em Almada (Joaquim Barbosa)


Este é o cartaz do Partido Socialista (PS) em Almada, tendo em vista as autárquicas de Setembro ou Outubro próximo. É um cartaz que faz parte de um início de campanha muito curioso e que justifica algumas considerações.

Pontos fortes:
  • Apostar no preto como cor de fundo é arriscado, no entanto, acaba por ser uma cor que contrasta bem com o cor-de-rosa do PS e destaca o próprio branco com o nome do candidato. Quem está à distância pode não conseguir ver o rosto do candidato, mas vê uma mancha negra com o nome Joaquim Barbosa e essa é a mensagem que fica.
  • O outdoor é do mais simples que pode haver e não se dispersa: tem uma cara e um nome. Há uma forte aposta no candidato.
  • Os cartazes do candidato do PS estão por todo o concelho. É quase impossível não esbarrar num tal é a invasão de imagens do candidato. Todos estes cartazes são de considerável dimensão permitindo ser vistos ao longe.

Pontos fracos:
  • É difícil justificar uma aposta tão forte nos outdoors quando ainda há pouco mais de 3 meses o Presidente da Comissão Política Concelhia de Almada desafiou os partidos a não utilizarem cartazes de propaganda nas ruas. Fica o mau exemplo.
  • A invasão de cartazes acaba por ver alguns deles mal colocados. Dou dois exemplos: no IC20, o cartaz está colocado de lado, o que significa que quem conduz tem de olhar para o lado e não aborda o cartaz de frente, sendo obrigado a desligar-se da estrada se quiser ver o cartaz; rotunda de quem desce o Alto do Índio e quer seguir para o Monte da Caparica ou para o Almada Fórum, o cartaz está tapado por uma árvore e só é possível vê-lo como deve ser quando se está na rotunda, ou seja, quando a situação de trânsito exige concentração máxima.
  • O preto acaba por ser uma faca de dois gumes: ora constitui um ponto forte, conforme acima descrito, ora fragiliza o próprio cartaz. Neste último caso, o preto é uma cor infeliz para exibir fotografias. As sombras naturais do rosto do candidato e as próprias cores da fotografia acabam por tornar imperceptível parte do rosto do candidato na totalidade, bem como o cabelo, destacando-se pontos centrais como a boca, os olhos e o nariz. O rosto não se devia perder na cor de fundo.
  • O desenho, no canto inferior direito, só é perceptível quando nos aproximamos do cartaz.
  • Compreende-se a aposta na pessoa do candidato e a simplicidade da propaganda, mas não só seria aconselhável destacar mais o logotipo da candidatura e o nome do Partido - até porque os eleitores vão pôr uma cruz numa lista e não no nome do candidato - como também não seria demais acrescentar «Candidato a Presidente da Câmara Municipal de Almada», como está num folheto que o Partido publicou no Facebook. Em suma, a mensagem está demasiado simplista.


Apesar de tudo, acho muito interessante este início de campanha do PS em Almada: teve a sorte de apostar num candidato da cidade, com experiência e ligações às áreas sociais e tem difundido bem a sua mensagem quer nas redes sociais quer no trabalho feito nas visitas ao terreno. Apostaram cedo na candidatura e a difusão de cartazes e visitas pela cidade demonstram que estão a jogar tudo, e talvez da melhor forma, na saída da actual edil e na saturação provocada pela CDU.

4 comentários:

Anónimo disse...

Acima de tudo, considero que os cartazes estão muito bem situados. Nota-se que houve preocupação de colocar 1ª que os outros candidatos para ficar com os melhores lugares. Se Joaquim Barbosa estiver um discurso forte penso que a CDU vai abanar e bastante

Nem tudo Freud explica disse...

Concordo com o que diz. Salvo algumas pequenas excepções, os cartazes estão muito bem situados, e, igualmente importante, são muitos por todo o concelho. Do que tenho visto, a campanha parece muito bem estruturada e espero, sinceramente, que Joaquim Barbosa consiga reunir mais votos que a CDU. Pelo menos parece ser diferente do marasmo habitual. Boa sorte.

Anónimo disse...

Caro Nem Tudo Fred Explica, está aberto concurso para a contratação de assistentes convidados na FDL. Depois da palhaçada que foi o último concurso, que aqui muito bem descreveu (com algumas respostas assaz patéticas de gente que agora diz mal da FDL por causa do projecto de regulamento de avaliação), fica a sugestão para entregar a papelada e candidatar-se novamente - nem que seja para os chatear e provar que não baixa os braços.

Boa sorte e parabéns pelo blog; muita verdade inconveniente é aqui dita, ou melhor, escrita.

Cumprimentos,

RP

Nem tudo Freud explica disse...

Caro RP,

Obrigado pelo alerta. Fiz a minha parte e, assim como os peregrinos rumam a Fátima na primeira quinzena de Maio de cada ano, também eu rumei à FDL e entreguei a minha candidatura cujo destino duvido que seja diferente do de outros anos.

Cumprimentos,

AG