terça-feira, 25 de dezembro de 2012

O Artur Baptista da Silva (ABS) do CDS: Graça Moura

Não se pense que o engodo apenas usa calças. Pelo contrário, também usa saia. E não se limita a clubes de futebol e à sociedade civil. Não. Também o há nos partidos políticos. Exemplo disso é haver, pelo menos, um ABS no CDS: chama-se Graça M Moura e tem inúmeros perfis de Facebook, através dos quais desenvolve uma rede de personalidades que corroboram as suas opiniões e com as quais desenvolve diálogos verdadeiramente esquizofrénicos para, entre outras pretensões, denegrir terceiros.
Tanto quanto pude apurar, esta personagem tem os seguintes perfis:
Desconfia-se que os perfis Álvaro Mesquita e Marta Valente também possam ser falsos perfis de Graça Moura.

Prova do que aqui afirmo relativamente aos múltiplos perfis, e respectiva utilização, jaz aqui, em duas provas da demência de quem os gere:
Uma espécie de diálogo entre Alberto Caeiro e Álvaro de Campos, mas de nível intelectual fraco

A esquizofrenia devia dar direito a interdição

Segundo a própria, será Doutorada por Harvard e Professora universitária de Matemática na Universidade do Porto. Diz ainda que já padeceu de cancro e que vive dificuldades financeiras para ajudar as suas 3 filhas, as quais, curiosamente, e segundo fonte altamente credível, não só não vivem como nem sequer se dão com a mãe desde que se viram envolvidas em «esquemas» da autoria de Graça Moura para conseguir obter dinheiro endividando, pelo menos, uma das filhas. A mesma fonte, que, reforço, é altamente credível, assevera que Graça Moura nunca teve cancro (felizmente!), nunca deu aulas e nem sequer viajou para os Estados Unidos da América, quanto mais frequentar Harvard.

O mais estranho no meio disto tudo é dispor de uma outra fonte que contactou Harvard e a Universidade do Porto e nenhuma destas entidades ter dito que Graça Moura já frequentou estas instituições quer como aluna quer como docente. Igualmente estranho é a própria alegar ter dificuldades financeiras e circular por todo o País nos eventos (conferências e jantares) do Partido, juntamente com algumas das suas companheiras. Também estranho é alguém com cancro ter uma vida tão activa e passar dias inteiros na praia ou nestes mesmos eventos. Da mesma maneira, como se explica que uma docente universitária passe 24 horas/dia e 7 dias/semana a actualizar o Facebook? Finalmente, se é uma mãe tão dedicada às suas filhas, porque raio nunca ninguém viu uma foto actualizada da própria com elas?

Ora, ou eu estou bem enganado, ou tudo isto mais não é do que um estratagema para apelar à misericórdia das pessoas, passando a imagem da mãe de família, doente, que faz um esforço épico para dar o melhor às filhas ao mesmo tempo que se desdobra em aulas na Universidade do Porto. Inspirador para muitos, no mínimo! Na verdade, podemos ver supra as referências de Graça Moura enquanto Maria João Correia a um alegado título de Professora Doutora, que mais não é do que uma forma de tentar ganhar a respeitabilidade de quem a lê. Fala ainda em conferências em Salamanca, tudo histórias fantasiosas para tentar criar a ideia de que se trata de uma pessoa profissionalmente bem sucedida, activa e influente. Uma autêntica wanna be que se faz passar pelo que gostava de ser.

Pelo meio, faz o papel de groupie e segue as figuras do Partido para todo o lado; tenta criar conflitos entre algumas figuras do Partido e outros militantes e/ou dirigentes, levantando falsos testemunhos contra os mesmos; é o sabujo fiel que diz sim a tudo o que vem do partido - eventualmente com a intenção de conseguir cair nas boas graças das pessoas dado que apoia incondicional e irracionalmente a corrente dominante -; e faz parte do seu modus operandi passar a sua história e aproximar-se de figuras ilustres do Partido, com o intuito de criar laços de afinidade com os dirigentes. Alguns deles morrem de amores por esta senhora tão amorosa que todos tratam por Dr.ª, mas que tenho sérias dúvidas que tenha um título académico sequer. Prova disso mesmo reside nas imagens infra:

Com Teresa Anjinho, deputada do CDS por Aveiro

Com Teresa Anjinho novamente e com Maria José França (Presidente da CPC Aveiro)

Com Teresa Caeiro e Beatriz Magalhães Ferreira (uma das suas fiéis parceiras)

Novamente com Teresa Anjinho

Com Beatriz Magalhães Ferreira e Orízia Roque, que será muito próxima de Paulo Portas

Com Paulo Portas

Outras imagens podiam também ter sido publicadas, mas deixo-as para quem visitar o perfil da visada. Desde Maio de 2012 que venho denunciando a farsa aos órgãos do Partido e aos militantes. O que recebi do Conselho Distrital de Setúbal - na sequência de uma denúncia também contra outras pessoas - foi um aviso para deixar o assunto enterrado sob pena de responder disciplinarmente. Fiz nova denúncia ao Conselho Nacional de Jurisdição há mais de 2 meses e até agora reina o silêncio. Tudo normal. Denunciei a situação em grupos de Facebook com mais de 1.500 e 2.000 pessoas, onde esta senhora faz estragos contra a imagem de militantes, e fui repreendido e todo o conteúdo foi eliminado, tendo os administradores destes grupos justificado tal comportamento com o facto de se tratarem de «questões pessoais». Não é pessoal, acreditem.

O que pretendo, afinal, com toda esta exposição? Não apenas alertar, uma vez mais, as pessoas para o engodo de que estão a ser alvo quando se deixam seduzir e acarinhar por Graça Moura. Pretendo que fique gravado que, por diversas vezes, houve quem alertasse para uma versão feminina de ABS no CDS e que várias pessoas ignoraram todos os avisos. Podes enganar quem quiseres, Graça, mas nunca me enganaste a teu respeito.

Esta senhora ainda vai dar que falar - dificilmente pelos melhores motivos - e quando procurarem pelo nome dela vão encontrar este e outros textos e constatarão que só se deixaram enganar porque quiseram. Os avisos foram feitos, mas nunca ninguém quis saber deles. Nessa altura, estarei eu a rir-me a bandeiras despregadas. Afinal, fizeram por merecer!

5 comentários:

Anónimo disse...

cheira me a esturro....
ha mais qq coisa...

Anónimo disse...

O Dro. Paulo Portas e a Dra. Teresa Caieiro foram apanhados. Os outros são só farinha do mesmo saco são como ela.

Beatriz Magalhães Ferreira disse...

Só agora tive conhecimento deste Blogger.
Eu fui uma das pessoas que acompanhou a Graça M. Moura, em alguns eventos e a apresentei a personalidades do CDS PP.
Acreditei numa amizade que me parecia sincera, e vim a descobrir, não ser tão sincera assim.Creio até que fui " usada", que servi de "degrau."Não, não sou farinha do mesmo saco".
Enquanto convivi com a Graça M. Moura,nada me pareceu estranho. Eu gostava da sua companhia e quero esclarecer,que foi a Graça, que sem
dizer o motivo,foi-me tratando com distância.Como não quero amigos/as, por favor,deixei de lhe dar importância.Apenas nos cumprimentamos.Não lhe quero mal.Só lamento.
Beatriz Magalhães Ferreira.

Carla Souto disse...

Boa noite...
Gostei da leitura deste texto,gostaria de aprofundar o tema consigo. Conheço a personagem pessoalmente mas gostaria de saber mais. Como posso contactá-lo?

Rita Madureira disse...

Boa tarde,
Sei que este comentário é bastante antigo, mas será que me pode falar da sua interacção com a senhora do texto, por favor?