quinta-feira, 15 de setembro de 2011

«Reitor da Universidade de Lisboa manda investigar eventuais ilegalidades»

Este é o título de uma notícia publicada na edição de hoje do jornal I e que tem como base as denúncias do Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, durante um colóquio organizado pela Makro, de lançamento de concursos de progressão na carreira pela Universidade de Lisboa, os quais estão proibidos por lei.

É sempre de salutar o quão expedito foi o Reitor António Sampaio da Nóvoa na reacção à denúncia do Professor, tendo dado ordem de «abertura de um processo de averiguações» para confirmar a verdade da informação avançada por Marcelo Rebelo de Sousa. Segundo o jornal I, foi até nomeada como instrutora do processo a directora do Departamento jurídico da Universidade de Lisboa, Maria João Rocha, solicitando a apresentação de um relatório preliminar no prazo de oito dias.

Porém, curioso é que o grau de interesse e celeridade manifestados pelo Reitor tenham sido diferentes quando foi feita a denúncia da forma «transparente» como a Faculdade de Direito selecciona os assistentes convidados para ali darem aulas e já denunciado neste espaço. Quando a mesma foi apresentada no passado dia 8 de Agosto, a resposta obtida foi «tomei conhecimento da denúncia feita ao Senhor Ministro da Educação e Ciência. A. Nóvoa». Se o autor deste blogue se chamasse Marcelo Rebelo de Sousa e/ou a denúncia fosse feita através da comunicação social, será que o Reitor também iniciaria um processo de averiguações a ser resolvido o mais rapidamente possível?

1 comentário:

Anónimo disse...

Curioso que o Senhor Professor ande a denunciar procedimentos dos quais está à frente e nos quais participou pessoalmente... e gosto do facto de o ter feito durante um colóquio organizado pela Makro (que raio?).
Enfim, "nem tudo Freud explica"....