sábado, 3 de setembro de 2011

Cavaco Silva, Nélson Évora e os Sub-20: o mérito é um valor subjectivo e em desuso..

No próximo dia 6 de Setembro de 2011, Cavaco Silva vai condecorar a selecção nacional sub-20 de futebol que foi vice-campeã do Mundo. Depois de Miguel Relvas ter (i) recorrido ao erário público para se deslocar à Colômbia, almoçar com os jogadores e assistir à final e (ii) criado três grupos de trabalho para o futebol, agora venham de lá mais de duas dezenas de medalhas. Desconhece-se qual a façanha ou o serviço prestado à Nação. Ainda assim, a selecção vai ser agraciada com vários graus das Ordens Honoríficas Portuguesas, possivelmente ao mesmo estilo dos prémios atribuídos pela FIFA: melhor marcador, melhor guarda-redes, melhor central, melhor número 10, melhor revelação, etc.

Em Portugal, o mérito é um valor cada vez mais subjectivo e em desuso. Reconhece-se mérito a quem se entende que deva ser reconhecido por tal, ainda que não o mereça verdadeiramente. Em Portugal, chegar ao poder é uma oportunidade única de ganhar um livre trânsito para estádios portugueses e estrangeiros. Rui Pereira, Manuel Pinho e António Costa são exemplos disso. É vê-los na tribuna presidencial do Estádio da Luz em praticamente todos os jogos do Benfica. No fundo, todos gostam de ver uma bola a rolar num relvado e excitam-se com isso.

A atitude de Cavaco Silva é lamentável por dar um mau exemplo para os portugueses. Afinal, basta dar uns pontapés na bola ou ser amigo de alguém para se «correr o risco» de ser condecorado. Pena é que ninguém se lembre das vitórias de outros atletas portugueses no estrangeiro, como Nélson Évora, que conquistou a medalha de ouro na China dias antes de os sub-20 perderem a final. E por falar em Nélson Évora, como é possível que o único português que venceu uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim'2008 não tenha sido condecorado, antes meramente felicitado e «agraciado» com um almoço em Belém? Não se entende, sobretudo quando o Presidente prefere condecorar Vítor Baía.

2 comentários:

Anónimo disse...

Apesar de gostar de futebol,não podia senão estar mais de acordo com o que foi escrito.
Devemos partilhar para que acordar algumas consciências adormecidas.Parabéns.

Nem tudo Freud explica disse...

Julgo que quase todos nós apreciamos futebol, mas não estamos dispostos a tolerar injustiças.